| | |
| | |
Tests | Inteligencia Emocional | Artículos | Materias
La página en español con mayor contenido sobre Aprendizaje y Técnicas de Estudio 

Técnicas-de-Estudio.org
La Web
Capacitación y entrenamiento gratuitos
Para estudiantes, docentes, ejecutivos y profesionales

Más de 1000 páginas
Artículos, cursos, técnicas, tutoriales, ejercicios, materias


Para todos los países
de habla española

Dominar herramientas 
eficaces para estudiar.
Eliminar toda dificultad 
en el aprendizaje.
Ahorrar tiempo para dedicarlo a otras actividades personales o aprender más cosas en el mismo período.
Recibirse en un tiempo 
menor al pensado.
Contar con nuevos métodos de trabajo intelectual.
Desarrollar habilidades emocionales.

Cómo aprovechar este sitio


"Lo fundamental de todo proceso pedagógico es el aprendizaje y no la enseñanza. Es el aprendizaje del estudiante y su participación el logro deseado." (Unesco, 1995)
 



Estudiar con un Método Vs. Estudiar
Sin un Método

Si hiciéramos una analogía entre tu mente y una PC, la diferencia entre estudiar CON un método de aprendizaje o estudiar SIN ese método, es muy parecido a la diferencia que existe entre una PC que contiene un buen software’ y otra que no lo contiene.


Test - Cuáles son
tus debilidades para estudiar


Test de Autoevaluación:
¿Sabes estudiar
bien?


ARTIGOS EM PORTUGUÉS


Teorias da Aprendizagem

·         O Construtivismo de Jean Piaget

·         O Behaviorismo de B. F. Skinner

·         A Aprendizagem Significativa de David Ausubel

O Construtivismo de Jean Piaget

Obra de Jean Piaget é considerada por muitos autores como de uma abordagem Cognitivista. É assim que a professora Mizukami (1986) a classifica. Aqui, no entanto, vamos considerar o trabalho de Piaget como dentro do Construtivismo, para diferenciá-lo do trabalho cognitivista de David Ausubel.  Há muitos autores construtivistas de grande valor para um fundamento didático. Exemplo deles são Constance Kamii, Vygotsky, Wallon, Emilia Ferreiro e Lauro de Oliveira Lima.  Segundo Piaget (1976 a), a evolução do conhecimento científico teve três fases bem claras:  

     Antes do Helenismo, a humanidade viveu séculos sem se preocupar muito com as explicações doporquê” dos fenômenos. A essa fase da História Piaget denominou de empírica, pois o homem mais praticava do que explicava. Com os Gregos, a civilização iniciou sua fase gnóstica, em que o homem tentou explicar racionalmente os fenômenos. Aí que teve início nosso conhecimento científico ocidental. Mais recentemente, na concepção de Piaget, a ciência não pergunta mais somente “por que acontece este ou aquele fenômeno”. Ela quer saber é “para que serve esta explicação científica”.  Temos, então, a fase da aplicação na indústria de nossos dias. Assim teria sido a evolução da inteligência da humanidade. Torna-se iimportante salientar que o homem levou séculos para ultrapassar o simples empirismo. Para chegar a teorizar, a civilização teve de fazer, manusear e intuir durante milhares de anos. Este foi o percurso natural da espécie humana. Toda a obra piagetiana demonstra que este também é o percurso natural de desenvolvimento da interligência de cada ser humano. Há uma fase em que a criança tem uma inteligência prática – ela é mais adiantada em ação do que em palavras; há outra em que ela faz afirmações a respeito do mundo sem se preocupar em demonstrar ou justificar; e há outra fase em que a pessoa realiza uma auto-submissão a uma disciplina qualquer, aplicando a si própria um plano de vida (PIAGET, 1976 b).  O que se pergunta, então, é: por que a escola não dá tempo para o aluno manusear algo, antes de ele compreender a explicação científica? Piaget jamais criou um método de ensino. No entanto, qualquer que seja o interesse de aplicarmos esses fundamentos, deveríamos chegar a um ensino que tivesse as seguintes características (cf. RONCA e ESCOBAR, 1980):

  •  procedimento indutivo;

  •  possibilidade de erros;

  •  participação do aluno.

BIBLIOGRAFIA
MIZUKAMI, M. da Graça Nicoletti. Ensino: As abordagens do Processo. São Paulo, EPU, 1986.
PIAGET, Jean. Psicologia e Pedagogia. Rio de Janeiro, Forense, 1976 a.
PIAGET, Jean. Seis Estudos de Psicologia. Rio de Janeiro, Forense, 1976 b.
RONCA e ESCOBAR. Técnicas Pedagógicas. Petrópolis, Vozes, 1980.


Volver al Indice de Artículos


 

Test de Orientación Vocacional
 


Cómo triunfar
en los exámenes

 



EL SER HUMANO QUE ESTUDIA Y DESARROLLA SUS APTITUDES INTELECTUALES Y EMOCIONALES, TIENE MÁS POSIBILIDADES DE PROGRESO EN LA VIDA,
Y OBVIAMENTE HABRÁ DE SENTIRSE MEJOR CONSIGO MISMO.

Contacto


Técnicas | Memoria | Comunicación | Lectura Veloz | Inteligencia | Investigación | Comprensión de textos | Vocabulario