| | |
| | |
Tests | Inteligencia Emocional | Artículos | Materias
La página en español con mayor contenido sobre Aprendizaje y Técnicas de Estudio 

Técnicas-de-Estudio.org
La Web
Capacitación y entrenamiento gratuitos
Para estudiantes, docentes, ejecutivos y profesionales

Más de 1000 páginas
Artículos, cursos, técnicas, tutoriales, ejercicios, materias


Para todos los países
de habla española

Dominar herramientas 
eficaces para estudiar.
Eliminar toda dificultad 
en el aprendizaje.
Ahorrar tiempo para dedicarlo a otras actividades personales o aprender más cosas en el mismo período.
Recibirse en un tiempo 
menor al pensado.
Contar con nuevos métodos de trabajo intelectual.
Desarrollar habilidades emocionales.

Cómo aprovechar este sitio


"Lo fundamental de todo proceso pedagógico es el aprendizaje y no la enseñanza. Es el aprendizaje del estudiante y su participación el logro deseado." (Unesco, 1995)
 



Estudiar con un Método Vs. Estudiar
Sin un Método

Si hiciéramos una analogía entre tu mente y una PC, la diferencia entre estudiar CON un método de aprendizaje o estudiar SIN ese método, es muy parecido a la diferencia que existe entre una PC que contiene un buen software’ y otra que no lo contiene.


Test - Cuáles son
tus debilidades para estudiar


Test de Autoevaluación:
¿Sabes estudiar
bien?


ARTIGOS EM PORTUGUÉS


A LEITURA ATRAVÉS DO COMPUTADOR

Por ACEDIR JESUS DE SOUZA

Detendo uma aptidão pela redação e pela gramática, considero, hoje, necessário que se trabalhe o incentivo da leitura através no computador no ambiente escolar. Como fazer?

Pode-se afirmar que através da leitura, adquire-se o conhecimento. Pois, conforme Alvin Toffler, “A informação é a base do conhecimento”.

Os meios tradicionais como o livro, a revista e outros, não nos oferecem informações de menor valor. Todavia, se analisarmos uma aula de redação em sala tradicional sem o computador, veremos a impossibilidade de se ter disponibilizadas bibliografias em abundância para pesquisa. Já que é inviável o transportei de uma biblioteca inteira para sala de aula. Por meio do computador/internet podemos ter “mil e uma” bibliotecas virtuais ao nosso dispor.

“Neste sentido, percebo que a presença da informática na educação vem assumindo o caráter de paradigma pedagógico, por vezes querendo apontar para a reversão de índices considerados indesejados, e por outras buscando contribuir de forma significativa no trabalho docente que, somado a outros elementos, poderia modificar o processo de ensino aprendizagem no sentido de produzir uma melhor qualificação do alunado, ou mesmo a sua autonomia na busca de aquisição do conhecimento“, de acordo com SÉRGIO PAULINO ABRANCHES.

É preciso dizer que o computador, como elo para se alcançar o conhecimento, não é o suprassumo em relação a outros caminhos. O mesmo não deve ser visto como uma ameaça ao livro, nem à revista. No entanto, é apenas um substituto e-ou alternativa natural do processo de avanço tecnológico.

A propósito, por falar em suprassumo, digo que a educação, sem fazer alusão discriminatória a outras áreas, é a base de tudo e por todos. É importante reconhecer, incondicionalmente, a Pedagogia, pois o que seria dos grandes psicólogos, professores, médicos e outros profissionais, se não fosse a educação?

“Existe quase um consenso entre educadores e educandos quanto à necessidade de mudar o sistema educacional vigente. O descompasso que existe entre as características do novo modelo emergente do século XXI e as características da escola baseada no século XIX torna-se cada vez mais visível. Nesse novo paradigma, o dinamismo e a rapidez da informação demandam uma nova forma de pensar a aprendizagem e o conhecimento. Quando se reflete sobre o sistema educacional para a nova era, é impossível ignorar o uso da tecnologia. E, certamente, as intenções podem ser as melhores, quando se pensa em modernizar a escola por meio da aquisição de equipamentos tecnológicos, como os computadores “. Segundo Maria Elisabette Brisola Brito Prado”; pesquisadora do Núcleo de Informática Aplicada à Educação da Universidade Estadual de Campinas.

Assim como as atribuições do livro, do caderno, da caneta e outros foram relevantes e indispensáveis para todos, o computador, enquanto ferramenta, tem suas peculiares características. Antes de tudo, temos que estar atentos a três interrogativas a respeito das suas atribuições. São elas: o que; para que; como.

Primeiramente, deve-se desmistificar o conceito de “bicho papão” visto por muitos. Ter o conhecimento básico da máquina.

Para que, a saber se sua utilidade é para fins de lazer, profissionais ou pedagógicos.

No campo da educação, fazendo uso do “ambiente WINDOWS, DO WORD, DO EXCEL, de jogos e de outros aplicativos, coloca-se o trabalho pedagógico em prática”.

Conforme o que diz ABRANCHES “os paradigmas clássicos sociológicos (consenso, conflito) não respondem mais, no meu modo de ver, a multiplicidade que atualmente organiza a sociedade e que traz para a educação, a necessidade de se apresentar a partir desta realidade e a ela responder com sua especificidade. Pensar, atualmente, a educação e sua função a partir do pressuposto da transmissão de conhecimentos, socialmente, elaborados não parece resistir às altas tecnologias de transmissão de dados e informação, tais como a rede Internet. O crescente número de CD-ROMS e SOFTWARES, mesmo sem um caráter marcadamente educativo, têm proporcionado uns acessos mais rápidos, lúdicos e através de diferentes tecnologias, provocando uma atração maior por parte, principalmente, de jovens estudantes, e fazendo com que professores tenham que repensar sua prática educativa”.

Leitura para outro público potencial

Quero dizer que a leitura não é privilégio daqueles classificados como “normais”. Conforme as regras de uma sociedade ditatorial no que tange aos padrões de normalidade. A relevância da leitura na vida daqueles que têm deficiência visual é, indiscutivelmente, evidente.

Como diz João Eduardo dos Santos Fernandes “até ao ano em que foi inventado o Braille, 1837/39 por Louis Braille, os cegos e amblíopes não tinham praticamente acesso à informação e à cultura. Tudo o que estava escrito lhes era vedado, a não ser que alguém lhes lesse um livro ou um jornal por exemplo. Com o Sistema Braille os deficientes visuais passaram a ter uma arma que lhes permitia ler, trocar correspondência, estudar, fazer enfim várias coisas que antes lhes estavam vedadas. Pode-se afirmar portanto que o Braille foi uma verdadeira revolução na vida dos deficientes visuais. Com o aparecimento desta escrita, surgiram como é óbvio as pautas e as máquinas de escrever Braille. Estes dois objectos eram e são fáceis de manusear, quer dizer a sua utilização não exige aprendizagem demorada depois de se saber o alfabeto Braille. para os cegos, não podemos esquecer a máquina de dactilografia.

Depois de uma aprendizagem algo demorada, pois a sua utilização pressupõe que o deficiente decore um teclado que não vê, o domínio de tal técnica permitiu e permite aos cegos e amblíopes comunicarem com os videntes, não podendo no entanto ler aquilo que escrevem. É um grande avanço na comunicação com os normovisuais, mas não a facilita totalmente. Estas duas técnicas estão ainda hoje presentes na aprendizagem de qualquer cego ou amblíope de nascença ou tardio”.

Para aqueles que não sabem, o acervo de bibliografias em BRAILLE é limitado. Por isso, torna-se restrito o canal informativo para o leitor com deficiência visual por meio da leitura. Assim, o computador e SOFTWARES sonoros (DOSVOX, VIRTUAL VISION, JAWS e outros), elaborados para usuários com deficiência visual, são alternativas que vieram para suprir suas necessidades.

Deve se ressaltar que as editoras, no tocante a acervos bibliográficos, quaisquer forem, poderiam colaborar muito com a publicação de livros em CDs. No contexto desse artigo, fica claro que tem-se, também, o deficiente visual como leitor potencial. Não é mesmo?

“Pensar sobre a relação ”educação para todos“ e a deficiência é uma forma de indagar a igualdade de oportunidades no sistema educacional brasileiro. O presente tema vislumbra a possibilidade de uma "educação para todos" através da informática, já que, como instrumento de aprendizagem, de busca de informação e de trabalho, o computador é uma realidade, principalmente nos grandes centros urbanos do Brasil“. É o que afirma Cristiane Scattone.

Na verdade, ao contrário do que se pensa, o computador (ferramenta física); os SOFTWARES (ferramentas lógicas), não são oportunistas substitutas da humanidade.

Temos que ver o mundo da informática como retrato e uma prova viva do processo de avanço tecnológico, feito pelas mãos do homem. Logo, é necessário que se tenha o computador como subsídio na área educacional, na busca e ampliação do conhecimento. E isso só é possível através da leitura.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

ABRANCHES, Sérgio Paulino. Informática e Educação - o paradigma pedagógico da Informática Educativa. [email protected] - número 1 - julho/2000. [email protected] - Revista

on-line de Educação a Distância.

FERNANDES, João Eduardo dos Santos. A evolução tecnológica e a formação. Publicado no SITE (

www.lerparaver.com).

PRADO, Maria Elisabette Brisola Brito. O uso do computador na formação do professor. Pesquisadora do Núcleo de Informática Aplicada à Educação da Universidade Estadual de Campinas. Mestre em Educação na área de Psicologia. Educacional da Faculdade de Educação da Unicamp.

Doutoranda em Educação no Programa de Educação: Currículo na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.

[email protected] turing. unicamp. Br

SCATTONE, Cristiane. A Educação e a pessoa com deficiência na era da informática. Psicopedagogia On line. São Paulo-SP: 2002.

TOFFLER, Alvin. As mudanças do poder. 3. ed. São Paulo: Record. 1995 - p. 91.

 

Volver al Indice de Artículos


 

Test de Orientación Vocacional
 


Cómo triunfar
en los exámenes

 



EL SER HUMANO QUE ESTUDIA Y DESARROLLA SUS APTITUDES INTELECTUALES Y EMOCIONALES, TIENE MÁS POSIBILIDADES DE PROGRESO EN LA VIDA,
Y OBVIAMENTE HABRÁ DE SENTIRSE MEJOR CONSIGO MISMO.

Contacto


Técnicas | Memoria | Comunicación | Lectura Veloz | Inteligencia | Investigación | Comprensión de textos | Vocabulario